segunda-feira, 30 de Novembro de 2009

Seitan "à (maneira) portuguesa"



Peguei num bom pedaço de seitan cortei-a em cubos e marinei-o umas boas horas com “calda de pimentão” feita em casa, vinho branco, louro
Numa frigideira aqueci um pouquinho de azeite e fritei o seitan (escorrido), acrescentando posteriormente aos poucos o que sobrou da marinada.
Entretanto fui fritando batatas. Raramente as como nem as frito mas apeteceu-me. Podia ter assado as ditas no forno. Enquanto iam fritando reservava as ditas.
Por fim juntei tudo num recipiente de servir. Piquei e deitei por cima alguns pickles, azeitonas às rodelas e, muito importante, um punhado de coentros picados.

Não compro seitan. Prefiro fazer em casa e cozinhar posteriormente. A receita está por aqui no blog. Basta pesquisar Seitan.

Bon apetit

domingo, 1 de Fevereiro de 2009

Bacalhau com broa



Estava mesmo a apetecer algo diferente do habitual.
Peguei umas quantas batatas, descasquei e coloquei numa panela com água a ferver. Depois de cozidas "al dente" cortei às rodelas e reservei.
Coloquei entretanto duas postas de bacalhau a cozer. Depois de cozido, limpei de espinhas e peles e fiz em lascas. Reservei.
Descongelei alguns cubos de espinafres congelados.
Entretanto num tacho coloquei cebola às meias luas e alhos mediamente picados, refoguei um pouco e juntei o bacalhau. Dei umas voltas no tacho e juntei os espinafres. Juntei as batatas e mexi com muito cuidado para não as desfazer.
Acrescentei algumas ervas e tempero. Apurada a mistura, despejei num tabuleiro, alisei e espalhei broa amarela por cima.
Reguei com um fio de azeite por cima de tudo e foi ao forno a tostar.
Acompanhou com uma boa salada mista com queijo de cabra cortado em cubos e um vinho branco fresquinho da região de Setúbal.

terça-feira, 16 de Dezembro de 2008

O meu primeiro pão...



... é verdade... comprei há cerca de dois meses a máquina do tópico sobre a qual escrevi na mensagem anterior. Pensei, pensei, repensei e acabei por a comprar.

No inicio fiquei desiludido com a máquina, afinal ela não tosta por cima, o pão não fica exactamente como cozido no forno convencional onde eu anteriormente o cozinhava, mas não está nada mal.
Fiquei a perceber por isso e por outras situações que estas máquinas são uns bichos manhosos, mas como experimentador e aventureiro meti mãos à obra e depressa contornei todas as manhas.

O meu primeiro pão na máquina foi esse da foto que por sinal foi feito com uma daquelas farinhas "já prontas" que às vezes dão muito, muito jeito. No entanto na maioria das vezes faço com receitas da minha autoria ou às vezes sigo as do manual.

Então não é maravilhoso saber aquilo que realmente estamos a ingerir?

quarta-feira, 24 de Setembro de 2008

Modernices vs Máquina de fazer pão




(Tefal Home Bread XXL)

Ando a ponderar a hipótese comprar uma máquina de pão e a que ando com olhos nela é a da foto.
Tenho feito sempre pão à mão, mas ponderei, ponderei e vou continuar a ponderar mais alguns dias e será sim ou não.

Há uma questão... a questão estética... quando acaba de cozer o pão... as pás misturadouras ficam agarradas ao fundo do pão(?) pelo que penso será necessário retirá-las. Aí entra a tal da estética... ficam dois buracos no fundo? Pequenos?

À mão utilizo sempre 800/900g de farinhas. Com sementes, água, fermento etc dá um pão de cerca de 1500g. A massa final coloco-a numa forma especifica. Um pão desses dá para imenso tempo.

Como esta máquina dará para fazer pães de 750g, 1000g ou 1500g... a comprá-la, quando confeccionar pães só para mim, farei de 750g. Assim dá para variar mais vezes de receitas.

segunda-feira, 25 de Agosto de 2008

Ovos de tomatada...

... e mais qualquer coisa



Após ter visto o Huevos Rancheros do blog da Lica, decidi que ia ser o meu jantar... mas acabei por fazer um pouco diferente.

Refoguei levemente uma cebola, um dente de alho e uma folha de louro, juntei o tomate e uma courgette que refogaram igualmente de forma suave. Tampei e deixei estufar de forma a amaciar os legumes. Uma pitada de sal, uns "pozinhos" e uma colher de sopa de coentros picados. Estufou mais um pouco. Desligado o lume aguardou com a tampa colocada no tacho para não deixar escapar todo aquele suave vapor... eu custumo dizer que se deve deixar descansar a comida.

Enquanto estava a preparar a tomatada, fervi água numa frigideira com uns golpes de vinagre. Escalfei dois ovos frescos.

Entretanto coloquei no prato uma fatia de pão alemão, cheio de cereais óptimos e coloquei os ovos em cima. Coloquei umas boas colheradas da tomatada por cima e "salpiquei" com umas rodelas de azeitonas de conserva.

Soube muito bem.

terça-feira, 17 de Junho de 2008

Arte de partilhar

Acredito em actos provocados pela natureza e por nós.

Isto que vos mostro é para mim um desses exemplos, um acto de magia.

Para mim é sempre uma alegria ver o resultado que sai das minhas mãos e do forno.
Sempre que cozo pão, lembro do acto de partilhar... partilho sempre.
Do pão que faço, ofereço sempre, começando sempre por alguém mais chegado.
Às tristezas partilho, as alegrias idem.

Na foto a partilha começa quando o pão começa a estalar como que a dizer: "parte-me, distribui-me".



500g de farinha de trigo
250g de farinha de trigo integral
250g de farinha de centeio
02 cubos de fermento fresco (2x25g)
01 colher de sobremesa de sal
02 colheres de sopa de oleo
Água q.b.

Numa taça coloquei as farinhas, o óleo, o sal dissolvido em água morna e mexi tudo com um garfo. Acrescentei o fermento dissolvido.
Ao mesmo tempo que ia mexendo ia acrescentado água morna, até ficar tudo bem ligado mas sem "empapar". Coloquei a massa na pedra da cozinha e amassei uns 10 minutos até a massa ficar bem elástica. Formei uma bola e coloquei na taça enfarinhada até duplicar de volume (de 1h a 2h) sendo que de seguida coloquei novamente na pedra e sovei bem mais uns dez minutos, formando uma bola virando para baixo as pontas que se formavam.
Coloquei a bola de massa numaa folha de papel vegetal salpicada de farinha, em cima de uma tabuleiro. Salpiquei bem de farinha a bola de massa. Deixei crescer um pouco e levei ao forno a 200º.
Quando a farinha com que salpiquei a massa, estava douradinha... o pão estava pronto. Deixei descansar um pouco, retirei, deixando arrefecer em cima de uma grelha.

quinta-feira, 5 de Junho de 2008

Frescura de atum



Não tem nada que saber... tomate cortado aos gomos fininhos, mozzarella, atum de conserva, cebola em meias-luas fininhas, azeite, vinagre de Cidra, uma pitada de sal e claro... óregãos.
Nada de "especial" mas que reconforta...reconforta e deixa o corpo leve